27.7.09

CORDEL

O VELÓRIO DO MACHISMO

Mulheres gostam de malandragem
E mentiras bem disfarçadas de verdades,
Verdades verdadeiras elas mentem gostar...
Homens certos e regradinhos, então
Terminam sempre com o cotovelo na dor,
Pois a dor de cotovelos fica para elas,
Que não se casaram com o canalha bom de cama
E que todo dia as fazia chorar,
De alegria com tuas tocantes palavras
Ou de tristeza com as palavras das meretrizes a clamar!

A mulher foi uma sina cometida,
Uma obra do homem arredia e ardida,
Uma prova da humanidade.
Uma lágrima e um sorriso,
Seja de um tribufú ou uma beldade.
Foi o machismo de deus,
Foi obra criada contra maldade!
A mulher é uma condenação voraz,
É berço de menino, é cruz de satanás.
É alma sem corpo, é terremoto, tufão e furacão
Girando em torno na paz!
A mulher é o homem pelo avesso.
É segredo, é desprezo,
É aonde choro, sorrio e assim me padeço!

O homem é a mulher em seu espelho,
É a larva do vulcão, um ser sem coração,
É veia sem sangue, é um morto no caixão!
Por tudo no mais assim ter a mulher,
Do canalha ela gosta, o valente ela quer.
O idiota, o boboca e o certinho ela suja,
A mulher, incrédulo,
No dia é um ganso disfarçado de coruja,
Na noite, para amar, é um coelho disfarçado de preá,
É a onça tarada sem disfarce,
É um boto rosa fora do rio e afogado no mar!

Certas, então, elas mulheres são...
Se já nasceram na mortalha,
Por que desprezar um canalha,
E não fazer sangrar o coração?
Nos corpos pelo avesso,
O homem é a redenção de uma mulher,
Que ele seja o canalha, o cafajeste e o babaca
Se tudo isso o homem assim não o ser,
O que será o que é?
Quem serás? Serás tu, ó mulher,
O martírio de um deus que não resa,
O sofrimento dos passos largos de uma garça,
O bisaco do caçador sem caça,
O corpo do homem na desgraça,
O berço da alma na lama,
O corpo do homem sozinho na cama,
Assim... a morte do machismo profana!
O olho da natureza chora,
O brilho do sol se apaga
E tudo fica escuro...
O azul do céu implora e grita na mesma hora:
Mulher!... coração de homem é bicho duro!
Mais parece uma rocha,
Só não é mais forte,
Que coração de moça cabrocha.
Ela nos vira e desvira.
Ela grita, sangra e manda,
É só bater o pé...
Tô pra ver coração mais duro
Que coração de menina moça muié!

KEKEL

Um comentário:

Jessica disse...

Me fez lembrar de uma passagem do Talmud que diz mais ou menos assim: "Cuida-te quando fazes uma mulher chorar, pois D-us conta suas lágrimas. A mulher foi feita da costela do homem, não dos pés para ser pisada, nem da cabeça para ser superior, mas, sim, do lado, para ser igual, debaixo do braço para ser protegida e do lado do coração para ser amada". Mesmo sendo mulher e amando mulheres, não consigo nos entender ou "entendê-las". Talvez seja apenas questão de amá-las e ponto.